10 lições dos pagodes dos anos 90

Eu tenho um amigo que conseguiu me definir numa frase perfeita: “Elegante no vestir e brega no existir”.

E sou mesmo. Não tenho vergonha disso…rola até um certo orgulhinho.

Sei letra e coreografia de quase todas as músicas bregas brasileiras, sonho em ir dançar numa aparelhagem no Pará e confesso que amo bem mais essas novelas populares de hoje em dia. Como não amar Chayene e Suelen?

Eu sempre acho que as musicas bregas tem muito a nos ensinar. Então, vou dividir aqui um pouco do que eu aprendi com os pagodes dos anos 90.

10 Lições para a vida.

1- O amor pode te deixar alcoólatra. Cuidado.

“…aí eu me afogo num copo de cerveja, que nela esteja minha solução. Então eu chego em casa todo dia embriagado, vou enfrentar o quarto e dormir na solidão…”

2- Rir de cantadas como “seu corpo é o mar por onde quero navegar“. Ainda bem que meu nome não é Inara.

3- O cirurgião plástico é a fada madrinha contemporânea. Pode transformar qualquer dançarina borralheira em princesa baiana. Um beijo, Carla Perez!

4- Enquanto a gente tá dançando, tem sempre um pimpolho de olho. Mas fique calma, é so ter cuidado com a cabeça dele e fica tudo certo.

5- Pau que nasce torto, nunca se endireita.

6- Os outros integrantes da banda viram meros dançarinos em programas de tv.

7- Homem de cabelo descolorido? Não, obrigada!

8- Conversar com a lua é bacana. “Lua vai…”

9- Várias maneiras estranhíssimas de matar uma barata. É sempre bom ter mais de uma opção.

10- E que quem samba com o Molejo samba diferente, viu?

Fico feliz por ter aprendido tanta coisa útil, viu?

Agora ja sabe, né? Se for fazer um churrasco na laje, pode me chamar que eu levo a cerveja, a farofa e muita cultura!

Anúncios